Curiosidades Surpreendentes sobre Sir Arthur Conan Doyle

Nextale/ maio 25, 2021/ Curiosidades Sobre Autores/ 0 comments

Sherlock Holmes é um personagem tão incrível que até hoje as pessoas ainda acreditam que ele é real! Se você acreditava nisso, sinto muito lhe informar, mas esse famoso detetive é fruto da imaginação de um grande autor: Sir Arthur Conan Doyle. Ele enganou a gente direitinho, né? Então, já que você gosta do personagem, venha conferir essas curiosidades sobre a pessoa por trás da grande mente do detetive mais famoso da literatura!

Começo da vida

Arthur Ignatius Conan Doyle nasceu em uma família extremamente católica na Escócia, no dia 22 de Maio de 1859. Apesar de nascer na Escócia, ele passou a maior parte da sua vida na Inglaterra, lugar que serviu de pano de fundo para as suas incríveis histórias.

Carreira

Arthur Conan Doyle sempre gostou de escrever. Apesar de seu amor pela literatura, ele acabou se formando em medicina na Universidade de Edimburgo em 1881, passando a exercer a sua profissão durante um tempo.

Trabalhar como médico, não estava gerando muitos resultados. Ele, então, decidiu voltar a escrever, conseguindo vender uma de suas histórias para uma revista. Assim, em 1887, a Beeton’s Christmas Annual publicou seu conto “Um Estudo em Vermelho”, apresentando pela primeira vez o seu personagem Sherlock Holmes para o mundo. As próximas histórias do genial detetive foram publicadas pela revista inglesa Strand Magazine, tornando-se um grande sucesso.

Seu trabalho como escritor inclui mais de 200 títulos publicados, entre livros, novelas históricas, peças e romances, poesias e obras de não-ficção.

“Sir”

Doyle foi condecorado com o título de cavaleiro (“Sir”) pela coroa inglesa em 1902. Apesar do que muitos possam pensar, não foi devido ao seu grande trabalho na literatura com as aventuras de Sherlock Holmes. Doyle recebeu o título devido a um panfleto político intitulado A Guerra na África do Sul: Causa e Conduta de 1902, em que ele justificava o papel do Reino Unido na Guerra dos Bôeres. Além disso, o autor trabalhou como cirurgião na linha de frente da batalha, sendo elogiado pelos colegas pela coragem e serviços prestados.

Crenças

Após perder entes queridos, entre eles a esposa, o filho e o irmão, Arthur Conan Doyle entrou em um estado profundo de depressão, encontrando conforto no Espiritualismo. Esse envolvimento o levou a escrever sobre o assunto, tornando-se um de seus grandes divulgadores e defensores. Entre algumas de suas obras estão: A Nova Revelação (1918) e a História do Espiritualismo, de 1926.

Sherlock Holmes

A criação do personagem Sherlock Holmes teve forte inspiração em seu professor da universidade, Joseph Bell. Sobre isso, Conan escreveu: “É mais do que certo que é a você a quem eu devo Sherlock Holmes… Com base no centro de dedução, na interferência e na observação que ouvi você inculcar, tentei construir um homem.”.

Outra curiosidade é que Doyle estava cansado de seu personagem e por isso tentou matá-lo em O Problema Final de 1983. A repercussão foi tão grande e negativa, que anos após, por pressão pública e também problemas financeiros, Doyle foi obrigado a reviver o personagem e inventar uma explicação mirabolante para isso! Sherlock Holmes retorna então no conto  A aventura da casa vazia de 1903.

Então, o que achou dessas curiosidades sobre o pai de Sherlock Holmes? Conta pra gente nos comentários! Aaaa… e lembrando: se quiser ler uma das aventuras desse detetive, confira pelo nosso app Nextale. Nossos livros imersivos vão te surpreender! 

Referências

https://pt.wikipedia.org/wiki/Arthur_Conan_Doyle

https://www.mysterytribune.com/pt/7-curious-facts-sir-arthur-conan-doyle-sherlock-holmes-day/

https://www.ebiografia.com/arthur_conan_doyle/

https://www.todamateria.com.br/sherlock-holmes/

Share this Post

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>
*
*